sexta-feira, 28 de outubro de 2011

A dor da partida


A gente leva uma vida inteira
se preparando para algo
Mas quando chega a hora,
nunca estamos preparados o suficiente
Sobretudo, para momentos dolorosos e tristes.
Beatriz Souza, 28 de outubro de 2011

2 comentários:

Digho disse...

Olá Bia, tudo bem? Cadê os novos textos?
Cheguei até aqui pelo comentário que você fez há algum tempo no meu blog.Dei um tempo nas postagens, mas voltei com gás, preciso manter contato com blogueiros e leitores.Sucesso!! http://digho.blogspot.com

Clayton Santos disse...

Dizem que sempre fui precoce. Mesmo portando uma deformidade nos pés andei rápido. Não me lembro!
Isso não é relevante. Era o primeiro diagnóstico errado.
Hoje já entendi, infelizmente tarde, que era um recado de Deus: pés tortos mas o caminho reto depende de ti. Ou: pés tortos, não se arrisque em passos largos! Me siga! Nem lembrará dos pés. Inteligência sobre bases tortas será sofrimento. Lembra daquela dos pneus? Potência sem controlhe não é nada. A senhora brinca talentosamente com as palavras, sabe que eu poderia passar dias escrevendo com diferentes palavras, frases do primeiro recado.
Não me lembro quando aprendi a andar. Mas reaprender... meu Deus!
Nessa caminhada perdemos suor, sangue, perdemos pedaços. No meu caso literalmente. Do corpo, da alma, da mente, mente... perde a metade da gente.
Você sabia que iria me encontrar. Você foi preparada, foi profetizado. To andando, sem moletas, e agora me deparo com a ponte. Mais uma vez Deus me ajuda! Pensei que anos se passariam.
A verdade liberta. E a ponte me conduzirá a uma verdade que tanto procuro. Deus me preparou, sei que essa verdade provavelmente não seja aquela que desejo. Mas não tenho mais medo.
Ponte,nãoé por medo. A senhora sabeque é respeito. Já sei que não é hora de afobação.
Me lembro das novelas. Sempre ouvia: "sua vida parece novela!"! E nessa iluzão contruía uma daquelas, Manoel Carlos! Um Leblom sempre ensolarado, sempre em paz e ajudando o "morro"... E a Helena! Helena! Síbolo da mulher guerreira, vencia todas as batalhas e a guerra, final feliz.
W.Carrasco, Elizabeth Ghin... a espiritualidade e aoportunidade de mudar... a ficha cai e me encontro num roteiro com o sarcasmo, ironia e acidez do Q. Tarantino misturado com o pessimismo exagerado dos Cohem. Título: " Não é Deus que segura! É o diabo que não te empurra"!
Cale a boca, homem sem fé! Há tempos que Deus te segura.
Ponte, vão colocar mais parafusos em meu pé. Me comprometo em obter a dignidade para seguir.
Hoje eu posso escolher. Não sou escravo, entretantanto, não sou senhor de meus domínios!
Ponte, pode avisar que cheguei. Avise também que não invadirei.
Fique com Deus!